Futebol

Relembre casos de suspensão por doping no Fluminense

Leandro Azevedo

[object Object]

Ao longo dos últimos anos o Fluminense teve alguns atletas suspensos por uso de substâncias proibidas no futebol. Recentemente o atacante do Flamengo, Gabi, foi suspenso por 2 anos depois de fraudar os procedimentos exigidos pelo examinação antidoping. Posteriormente vir à tona, o tema é discutido e repetido por diversos veículos de notícia.

O uso de substâncias ou métodos para melhorar o treinamento e resultados dos atletas no esporte é proibido. O Revista antidoping foi criado para seguir a risca os jogadores para que não possa subsistir vantagem. Há pouco tempo, o Fluminense teve um caso com o zagueiro Manoel, em 2023, e esse caso não foi o primeiro. Veja os jogadores do Fluminense que tiveram suspensão por doping.


+Felipe Melo se posiciona sobre ex-companheiros de seleção: ‘Que sirva de prelecção’


+Fluminense lança segundo uniforme da equipe em 2024; veja detalhes da camisa

MANOEL

Manoel foi flagrado com a presença da substância ostarina em examinação antidoping realizado depois a partida contra o River Plate-ARG, no dia 2 de maio, no Maracanã, pela tempo de grupos da Despensa Libertadores de 2023.

A pena para a substância pode chegar a 48 meses (quatro anos), mas a resguardo de Manoel conseguiu provar que a contaminação foi casual, e o zagueiro pegou a pena mínima.

RODOLFO

O goleiro tricolor em 2019 testou positivo para benzoilecgonina, o principal metabólito da cocaína e proibida no regulamento de doping. Inicialmente punido por três anos, Rodolfo entrou com um recurso na Conmebol, que o liberou para jogar futebol depois um ano, sete meses e 20 dias de suspensão. A substância tem impacto no sistema cardiovascular, com o aumento da frequência cardíaca, e também provoca um incremento das secreções salivar, gástrica e pancreática, além de suor intenso. No corpo de um desportista, isso é capaz de aumentar o desempenho físico.

O gancho de três anos se deu porque Rodolfo era relapso. Ele já havia sido pego no doping em 2012, quando atuava pelo Athletico-PR, pela mesma substância. Ao chegar no Fluminense em 2018, Rodolfo reconheceu que era dependente químico, mas que estava livre das drogas desde 2014.

+ Para saber tudo sobre o Fluminense, siga o 
Esporte News Mundo
 no 
Twitter

Instagram

Facebook
 e 
YouTube

MICHAEL

Em 2013, o atacante Michael do Flu foi flagrado no examinação antidoping por uso de cocaína. O jogador de 20 anos, formado nas categorias de base do Tricolor, foi testado e reprovado na partida contra o Resende. A notícia abalou o elenco tricolor na véspera de confronto decisivo contra o Emelec pela Despensa Libertadores, e os líderes da equipe se reuniram rapidamente nas Laranjeiras antes do início do treinamento.

O desportista pegou 16 meses de suspensão, porém, caso comprovasse que tinha se livrado do uso de drogas através de exames mensais além de participar de palestras, teria a pena reduzida pela metade. Foi o que aconteceu.

DECO

No mesmo ano, o meia Deco foi flagrado no examinação antidoping realizado depois a partida que o Fluminense venceu o Boavista, por 2 a 0, no dia 30 de março, pela Taça Rio. O teste deu positivo pelo uso da substância furosemida, encontrada em vitaminas.

Furosemida é a mesma substância encontrada nos casos de doping do nadador Cesar Cielo e da ginasta Daiane do Santos. Também em 2013, o meia Carlos Alberto, do Vasco, também foi pego no antidoping com o mesmo resultado.

No final do mesmo ano o meia naturalizado português se aposentou e se despediu do futebol. No ano seguinte (2014), teve a sua inocência em apuração feita pela Fifa, na Suiça. Não foi detectada nenhuma substância considerada doping. Assim a CBF e a Fifa decidiram por retirar a punição.



Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios