Notícias

PF acusa Musk e X de viabilizarem ‘reorganização da milícia digital’

Reprodução

Elon Musk entrou na mira da justiça brasileira

A Polícia Federalista divulgou informações indicando que Elon Musk e o X/Twitter têm contribuído para a viabilidade da “reorganização da Milícia Do dedo”, permitindo que brasileiros acessem links de outros países para presenciar transmissões ao vivo feitas por políticos e militantes bolsonaristas investigados.

Essa posição foi destacada em um relatório entregue ao ministro do Supremo Tribunal Federalista, Alexandre de Moraes, no contexto do sindicância que investiga as milícias digitais, no qual Musk foi incluído depois ataques contra o magistrado.

De tratado com a poste de Paulo Cappelli, do portal Metrópoles, o relatório da PF afirma: “Nesse momento, vislumbra-se uma reorganização da Milícia Do dedo dentro dos limites da jurisdição brasileira, com a reativação dos perfis na plataforma X, por meio da disponibilização aos usuários brasileiros de links para acompanharem lives transmitidas fora do país pelos investigados.”

Outrossim, a PF acusou o X/Twitter de mentir ao declarar que seguiu decisões judiciais e manteve contas bloqueadas.
O relatório também explica que os usuários da plataforma estão utilizando o recurso “Spaces” para possibilitar que perfis bloqueados participem de transmissões ao vivo e sejam ouvidos no Brasil, caracterizando uma espécie de “gabinete do ódio 2.0”.

A tensão entre Elon Musk e Alexandre de Moraes teve início no início de abril, quando o empresário chamou o ministro de “ditador” e ameaçou reativar contas bloqueadas por decisões judiciais.

Em resposta, Moraes incluiu Musk nos inquéritos das milícias digitais e do 8 de janeiro de 2023, que investigam possíveis ataques contra as instituições democráticas.

Quer permanecer por dentro das principais notícias do dia? Clique cá e faça segmento do nosso meio no WhatsApp

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios