Notícias

Quem são os atores do julgamento de Donald Trump?

Mary Altaffer

Donald Trump será julgado na segunda-feira, 15 de abril de 2024

Mary ALTAFFER

Um juiz que já condenou a empresa familiar de Donald Trump, um promotor progressista e uma ex-atriz pornô. Seguem alguns dos principais atores do julgamento contra o magnata, o primeiro ex-presidente americano a sentar no banco dos réus da Justiça Criminal.

– Donald Trump –

Aos 77 anos, o 45º presidente dos Estados Unidos (2017-2021) é o primeiro ex-ocupante da Moradia Branca a ser indiciado criminalmente. O processo coincide com sua revanche eleitoral contra Joe Biden por seu esperado retorno à Presidência em 2025.

O republicano é indiciado de falsificar documentos comerciais para ocultar o pagamento feito para obter o silêncio de uma ex-atriz pornô com quem supostamente teve uma relação extraconjugal.

– A ex-estrela de filmes pornô –

“Tudo o que precisei fazer foi assinar um papel para permanecer calada”, diz ela em um documentário recente sobre sua vida. Mas zero saiu uma vez que planejado para Stormy Daniels.

A ex-atriz pornô recebeu 130 milénio dólares em 2016 (458 milénio reais na quadra) para permanecer em silêncio sobre uma relação sexual que afirma ter tido com Trump em 2006, o que ele sempre negou.

Quando o caso veio à tona em 2018, ela se viu sob os holofotes, tornando-se um ícone feminista para alguns, mas odiada por apoiadores do magnata. Ela deve testemunhar no julgamento.

– O “pitbull” que virou inimigo –

O ex-advogado pessoal de Trump, que não negou o sobrenome de ‘pitbull’ oferecido pelo candidato republicano, tornou-se seu inimigo e será a testemunha chave da delação. Foi ele quem pagou a Stormy Daniels, do próprio bolso, para silenciá-la, a pedido de Trump, afirma.

Em agosto de 2018, foi sentenciado a três anos de prisão posteriormente se declarar culpado de violar as leis de financiamento de campanha devido a nascente pagamento.

Cohen deverá detalhar ao júri a suposta participação do ex-presidente, mas a resguardo pretende impugnar seu testemunho, por sua pena por falso testemunho ao Congresso.

– Encarregado de um tabloide –

Os promotores também devem convocar para depor David Pecker, ex-presidente da editora do tabloide National Enquirer.

O objetivo é que ele descreva uma vez que colocou seu jornal à disposição da campanha de Trump em 2016, comprando matérias que poderiam afetar a imagem do magnata, para enterrá-las.

– O promotor –

Alvin Bragg, autoproclamado garoto do Harlem, bairro multicultural da classe trabalhadora de Manhattan, foi vítima dos métodos violentos da polícia de Novidade York na juvenilidade, antes de se formar em Harvard.

Em janeiro de 2022, tornou-se o primeiro promotor afro-americano do gabinete distrital de Manhattan, onde tramitam casos delicados e financeiros.

Eleito pela placa democrata, ficou encarregado do processo de Trump. Foi inicialmente criticado por um suposto libido de arquivar o caso, antes de se tornar o primeiro promotor a acusar um ex-presidente dos EUA.

O varão de 50 anos também liderou a delação contra a Organização Trump por fraude fiscal, que resultou na primeira pena criminal do grupo em 2022.

– O juiz –

Com renome de gentil, mas firme, o juiz colombiano Juan Merchan, 61 anos, é o encarregado de conduzir o processo e sustar o temperamento eruptivo de Trump.

Nascido em Bogotá, emigrou para os Estados Unidos aos 6 anos, foi promotor antes de ser nomeado juiz de família no Bronx e depois juiz criminal na Suprema Incisão do Estado de Novidade York.

Em audiências anteriores, avisou Trump que não toleraria qualquer interrupção do processo e o proibiu de lutar testemunhas e funcionários do tribunal.

A equipe de Trump pediu que se afastasse do caso, já que sua filha trabalha em uma consultoria que atende a Biden e por uma doação de 35 dólares feita à campanha do democrata em 2020.

Ao final do processo, o júri decidirá se Trump é culpado, mas será o juiz quem fixará a pena para os crimes dos quais é indiciado, que podem ser de prisão.

– Os advogados –

Os advogados de Trump, Susan Necheles e Todd Blanche, são especialistas em crimes de colarinho branco. Necheles tem seu próprio escritório, estudou em Yale e é conhecida por seus interrogatórios incisivos.

Blanche passou dez anos na Promotoria Federalista de Manhattan antes de se tornar legisperito. Ele deixou um renomado escritório de Novidade York para se destinar à resguardo do ex-presidente.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios