Notícias

Portugal se prepara para celebrar 50 anos da Revolução dos Cravos

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Portugal celebra 50º natalício da Revolução dos Cravos, movimento que, em 1974, acabou com a ditadura

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Portugal celebrará na quinta-feira (25) o 50º natalício da Revolução dos Cravos, movimento que, em 1974, acabou com a ditadura, as guerras coloniais na África e deu início à instauração da democracia.

A data emblemática coincide com o propagação eleitoral da extrema direita no país.

Em 25 de abril de 1974, a ditadura mais antiga da Europa ocidental caiu em questão de horas, praticamente sem uma pinga de sangue derramada, graças a uma revolta liderada por suboficiais rapidamente apoiada pela população.

Os cravos vermelhos, colocados nas armas dos jovens militares que deixaram os quartéis e se tornaram heróis libertadores de um povo submetido a um regime ditatorial durante 48 anos, viraram o símbolo da convulsão política, econômica e social.

A revolução abriria o caminho para a organização das primeiras eleições livres com votação universal, em 25 de abril de 1975, e para o processo de independência das colônias portuguesas na África: Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Virente.

“A guerra colonial teve uma influência fundamental para perfurar os nossos olhos para a situação em Portugal”, declarou à AFP o coronel da suplente Vasco Lourenço, presidente da Associação 25 de Abril, herdeira do “movimento dos capitães” que organizaram a revolução há 50 anos.

– Esteio da população –

O base “inopino e intenso” da população ajudou a pretexto “dos que realmente desejavam uma mudança radical, uma libertação verdadeira e democracia”, acrescentou.

“O 25 de abril é tecnicamente um golpe de Estado que, no mesmo dia, se transformou em revolução”, explica a historiadora Maria Inácia Rezola, que coordena os programas de celebração da data, que incluem centenas de iniciativas institucionais e culturais.

Alguns dos 5.000 militares que participaram no movimento devem desfilar na quinta-feira pelo meio de Lisboa com 15 veículos do período.

Além da sessão comemorativa anual do Parlamento e do tradicional desfile popular, também estarão presentes os presidentes dos países africanos que conquistaram independência depois a Revolução dos Cravos para festejar ao lado do homólogo português, Marcelo Rebelo de Sousa.

Alguns pensavam que o pretérito dominador de Portugal frearia a subida da extrema direita observada em outros países da Europa.

Mas um partido criado em 2019 se consolidou uma vez que terceira força política do país, com 18% dos votos nas recentes eleições legislativas.

Embora o fundador e presidente deste partido, André Ventura, tenha criticado o vetusto regime, o partido Chega inclui saudosistas da ditadura salazarista.

– “Saber a história” –

“Dentro do Chega e de outros partidos, há muitas pessoas na direita que não têm uma visão negativa de (António) Salazar e seu regime”, destaca o pesquisador italiano Riccardo Marchi, profissional em direita radical do Instituto Universitário de Lisboa.

Rita Rato, diretora do Museu da Resistência e da Liberdade, criado pela prefeitura de Lisboa em uma antiga prisão onde militantes antifascistas foram detidos e torturados, reconhece que a maioria dos portugueses “sabe pouco de seu pretérito”.

“O contexto atual torna mais evidente a influência de que os jovens conheçam a história contemporânea do nosso país”, destacou a ex-deputada comunista.

Uma pesquisa divulgada na sexta-feira mostrou que metade das pessoas entrevistadas considera que o vetusto regime tinha mais aspectos negativos do que positivos, mas 20% afirmaram o contrário.

Outrossim, 65% dos entrevistados consideraram que a Revolução de 25 de abril foi o evento mais importante da história portuguesa, muito avante da adesão à precursora da União Europeia em 1986 ou ao término da reino em 1910.

Até 1974, Portugal era “um país pobre, moroso, ignorante e só do resto do mundo, que depois se modernizou em todos os níveis”, destacou Rezola.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios