Notícias

Israel prossegue com bombardeios em Gaza

MOHAMMED ABED

Palestinos perto de cratera provocada por bombardeio israelense em Rafah, sul da Tira de Gaza

MOHAMMED ABED

Israel bombardeou novamente a Tira de Gaza nesta quinta-feira (18), em sua guerra contra o movimento islamista palestino Hamas, em meio aos temores de que uma verosímil resposta israelense ao ataque recente do Irã aprofunde o conflito na região.

A União Europeia (UE), que pediu “máxima moderação” a todas as partes, adotou novas sanções contra o Irã, coligado de Hamas, na quarta-feira.

As sanções visam em pessoal os fabricantes de drones e mísseis, principais armas do ataque iraniano de sábado.

Testemunhas relataram novos bombardeios israelenses durante a noite em Gaza, onde 33.970 pessoas morreram desde o início da ofensiva israelense há mais de seis meses, segundo o Ministério da Saúde do território palestino, governado pelo Hamas.

As bombas caíram em Khan Yunis e Rafah, no sul da Tira, segundo a Resguardo Social do território.

O conflito começou em 7 de outubro, com um ataque de milicianos islamistas, que assassinaram 1.170 pessoas no sul de Israel e sequestraram quase 250, segundo um balanço da AFP fundamentado em dados divulgados pelas autoridades israelenses. Entre os mortos estavam mais de 300 militares.

Depois uma troca de reféns por presos palestinos durante a trégua de uma semana no término de novembro, 129 pessoas continuam em cativeiro em Gaza, incluindo 34 que teriam sido mortas, segundo as autoridades israelenses.

– “Cadáveres por todos os lados” –

A Resguardo Social de Gaza anunciou que encontrou, depois um bombardeio em Rafah, oito corpos, todos da mesma família, incluindo cinco crianças e duas mulheres.

Um fotógrafo da AFP observou um grupo de pessoas reunidas ao volta de uma enorme cratera no solo.

“Acordei com as meninas que gritavam ‘mamãe, mamãe’ (…) corri e vi crianças fugindo (…) havia cadáveres espalhados por todos os lados”, disse à AFP o palestino Jamalat Ramidan depois um ataque em Rafah, que virou um refúgio para mais de um milhão de palestinos que fugiram da ruína em outras áreas do território.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, anunciou o projecto de iniciar uma ofensiva terrestre contra a cidade, que ele descreve uma vez que o último grande reduto do Hamas.

– “Haverá uma resposta” –

O Tropa israelense afirmou que atacou nas últimas horas dezenas de “alvos” em Gaza, incluindo “terroristas, postos de reparo e estruturas militares”.

A guerra na Tira de Gaza aumentou as tensões na região, com Israel e seus aliados, uma vez que os Estados Unidos, de um lado, e o Hamas e seus apoiadores, uma vez que Irã e o grupo Hezbollah, do outro.

Israel insiste na formalidade de responder ao ataque do Irã de sábado, apesar de quase todos os 350 drones e mísseis lançados pela República Islâmica terem sido interceptados, com a ajuda de vários países.

Teerã afirmou que executou o ataque em represália ao bombardeio de seu consulado em Damasco, ação que atribui a Israel e que provocou a morte de sete membros da Guarda Revolucionária.

A emissora pública israelense Kan informou que Netanyahu desistiu dos bombardeios de retaliação depois de discutir a questão com o presidente americano, Joe Biden, que tenta evitar um confronto direto entre Israel e Irã.

“Haverá uma resposta, mas será dissemelhante do que foi previsto inicialmente”, declarou uma natividade de elevado escalão do governo que pediu anonimato.

– Negociações “estagnadas” –

O governo dos Estados Unidos, coligado incondicional de Israel, deixou evidente que não participaria de uma resposta israelense ao ataque iraniano.

A Morada Branca informou que anunciará novas sanções contra Teerã nos próximos dias, em pessoal contra os programas de drones e mísseis e contra a Guarda Revolucionária.

As negociações para obter uma novidade trégua em Gaza, que permita a libertação dos reféns israelenses sob poder do Hamas em troca de palestinos presos em Israel, estão “estagnadas”, segundo o Procurar, que desempenha o papel mediador ao lado dos Estados Unidos e do Egito.

“Estamos fazendo uma reavaliação global do nosso papel uma vez que país mediador”, declarou o gerente de Governo e chanceler do Procurar, Mohamed bin Abdulrahman Al Thani.

A ONU, que teme uma inópia generalizada em Gaza, fez um apelo por doações de 2,8 bilhões de dólares (14,6 bilhões de reais).

Netanyahu rejeita “as acusações de organizações internacionais sobre a inópia em Gaza” e afirma que Israel está fazendo “todo o verosímil na questão humanitária”.

O conflito provocou a retomada com força do debate sobre a premência de geração de um Estado Palestino.

O Juízo de Segurança da ONU votará nesta quinta-feira ou na sexta-feira o pedido dos palestinos para virar um Estado membro de pleno recta das Nações Unidas.

A iniciativa provavelmente esbarrará no poder de veto dos Estados Unidos, que considera que a ONU não é o sítio ideal para o reconhecimento, e sim um combinação com Israel.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios