Notícias

Segurança da Boeing em debate durante audiência no Senado americano

Juliette MICHEL

Padrão do Boeing 787 Dreamliner no hangar de construção em North Charleston, estado da Carolina d Sul

Juliette MICHEL

A segurança dos aviões da operário Boeing, tema de várias manchetes nos últimos meses, será examinada nesta quarta-feira (17) no Senado dos Estados Unidos, em seguida as revelações de um engenheiro de controle de qualidade sobre a confiabilidade dos modelos 787 Dreamliner e 777.

Uma percentagem de investigação abordará o tema depois de ter “recebido informações de um denunciante sobre o Grupo Boeing, que alerta para deficiências de produção alarmantes e perigosas ‘que criam riscos de segurança potencialmente catastróficos'”, escreveram os senadores Richard Blumenthal (democrata) e Ron Johnson (republicano) em um e-mail enviado ao CEO da empresa, Dave Calhoun, em 19 de março.

Calhoun foi convidado a comparecer à audiência, mas não estava na lista de testemunhas divulgada na segunda-feira.

“A Boeing compreende a influência das responsabilidades da percentagem em termos de fiscalização e cooperamos com a investigação”, reiterou o grupo, que expressou a disposição de “entregar documentos, testemunhos e relatórios técnicos”.

A audiência acontece depois que Sam Salehpour, engenheiro de qualidade de Boeing g há uma dez, entrou em contato com a filial reguladora da aviação social (FAA) dos Estados Unidos para falar sobre a segurança dos modelos Dreamliner e do 777.

Salehpour afirmou que a operário “ignorou, de forma recorrente, inquietações graves a saudação da segurança e controle de qualidade na construção dos 787 e 777”, de combinação com um e-mail de 17 de janeiro enviado por seus advogados para o diretor da FAA, Mike Whitaker.

“Nosso cliente identificou aspectos preocupantes consideráveis em termos de segurança e fez todo o verosímil para invocar a atenção dos funcionários da Boeing”, acrescenta a mensagem, divulgada em 9 de abril em seguida uma reportagem publicada pelo jornal The New York Times.

Salehpour explica ter constatado “deficiências” no processo de montagem do Dreamliner que provocaram uma “deformação dos materiais (…) o que pode mudar seu funcionamento com a utilização de longo prazo”.

A saudação do 777, ele afirma que “novos procedimentos de montagem” implementados sem o “necessário redesign das peças envolvidas resultaram em um mau alinhamento das peças”.

Segundo o denunciante, engenheiros da Boeing foram pressionados a ignorar os problemas, embora isso “represente um grave risco à segurança.

O New York Times informou que partes do Dreamliner “foram monadas de maneira incorreta e poderiam separar-se uma das outras em pleno voo, em seguida milhares de voos”.

A Boeing rejeitou imediatamente as acusações e defendeu seus métodos na segunda-feira, quando declarou ter “crédito na segurança e espaço dos 787 e 777”, em um relatório assinado por dois dos principais engenheiros da empresa.

Eles negaram as acusações de que quase 1.400 aeronaves da Boeing apresentam falhas de segurança consideráveis.

Depois o alerta apresentado por Salehpour, a FAA abriu uma investigação sobre os modelos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios