SAÚDE

Brasil registra mais de 3.350 casos de Febre do Oropouche

Divulgação/Genilton J. Vieira/Fiocruz

Transmissão acontece por mosquitos, sobretudo pelo Culicoides paraensis e pelo Culex quinquefasciatus

O número de casos de Febre do Oropouche
, doença com os mesmo sintomas da  dengue
e chikungunya, já passa dos 3.350 em 2024, segundo dados do Ministério da Saúde divulgados nesta semana. O maior número de infectados está no Amazonas, com 2.538 diagnósticos positivos para a doença.

A Febre do Oropouche está mais concentrada em alguns estados da região Setentrião do país, uma vez que o Amazonas (2.538), Rondônia (574), Acre (108), Pará (29) e Roraima (18). Em 2023, a doença foi diagnosticada em 832 pessoas.

Nesta semana, o número de casos subiu para 47 na Bahia. As cidades com maior número de positivados são: Teolândia (22), Valença (10), e Laje (10). A capital baiana, Salvador, registrou o primeiro caso da doença, segundo a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

Na quarta-feira (10), foram registrados os três primeiros casos de Febre do Oropouche em Teresina, no Piauí. Os casos aconteceram em março deste ano e estavam em investigação. No totalidade, o estado soma oito diagnósticos confirmados.

Fora da região Setentrião e Nordeste, os estados com mais casos positivos para a doença são: Mato Grosso (11), São Paulo (7) e Rio de Janeiro (6), conforme os dados do Ministério da Saúde.

Sintomas

Os sintomas são semelhantes aos da dengue e chikungunya, incluindo dor de cabeça, dor muscular, nas articulações, náusea e diarreia. Essa semelhança dificulta o diagnóstico médico, sendo fundamental a vigilância epidemiológica para diferenciação.

Transmissão

A transmissão da Febre do Oropouche ocorre através do mosquito Culicoides paraensis e pelo Culex quinquefasciatus com o vírus Orthobunyavirus oropoucheense (OROV) – de onde vem o nome – sendo mantido no sangue desses insetos posteriormente pungir uma pessoa ou bicho infectado. Os mosquitos podem, portanto, transmitir o vírus para outras pessoas saudáveis quando picam novamente. 

Tratamento

Segundo o Ministério da Saúde, o tratamento varia de consonância com cada caso. Os pacientes devem permanecer em repouso, tomar a medicação orientada pelo médico e realizar seguimento dos sintomas.

Principais cuidados

  • Evitar chuva paragem (principalmente grandes reservatórios de chuva em morada, onde os mosquitos podem se procriar);

  • Usar repelente;

  • Colocar areia no prato das vegetação e/ou trocar a chuva uma vez por semana;

  • Furar pneus velhos e guardá-los em envolvente seguro;

  • Entregar recipientes (uma vez que garrafas pet) vazios à limpeza pública;

  • Limpar bebedouros de chuva mineral e chuva generalidade;

  • Tapar caixas d’chuva.

Quer permanecer por dentro das principais notícias do dia?  Clique cá e faça secção do nosso meio no WhatsApp.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios