Notícias

israelenses impassíveis após explosões no Irã

ATTA KENARE

A Torre de Telecomunicações Milad na capital do Irã, Teerã, em 19 de abril de 2024

Atta KENARE

O noticiário da manhã está “no esquina da mente”, mas Ditza Kornfeld, uma israelense de 63 anos, não mudará sua rotina em seguida o proclamação de explosões no núcleo do Irã, atribuídas à retaliação israelense ao ataque lançado por Teerã contra Israel no último termo de semana.

“Estamos acostumados a estas situações anormais”, afirma esta guia turística tal qual trabalho foi impactado desde o início da guerra na Filete de Gaza em 7 de outubro.

Sua principal preocupação é terminar a preparação das refeições para a celebração da Pessach, a Páscoa judaica, que começa na noite da próxima segunda-feira (22).

Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã em território israelense em 13 de abril, em represália ao bombardeio do consulado iraniano em Damasco, atribuído ao primeiro, no dia 1º de abril.

Diversas explosões atingiram o núcleo do Irã nesta sexta-feira (19), no que autoridades dos Estados Unidos, citadas pela prelo americana, anunciaram uma vez que um ataque israelense de represália pelos drones e mísseis lançados por Teerã.

Israel minimizou o impacto destes disparos, sem acusar diretamente Israel, que não reivindicou autoria.

– “Gaudério de moçoilo” –

Amitay Bendavid, o proprietário de uma loja de antiguidades, acredita que as hostilidades — que por muito tempo foram indiretas — cruzaram um limite.

“Era uma guerra fria, e agora é um país contra o outro”, disse ele, declarando que Israel deve “golpear possante”, criticando a ação desta sexta, a qual classificou uma vez que uma “folia de moçoilo”.

Bendavid não acredita em uma solução diplomática, embora tema uma escalada.

“Israel não tem escolha”, diz o varão de 37 anos, afirmando que o Irã “não entende palavras, unicamente de sangue e poder”.

Mordeachay Menarsheof, possuidor de uma sapataria em Jerusalém, também defende uma postura mais incisiva, declarando que “a solução diplomática não é a adequada”.

“Nós queremos a tranquilidade, mas eles não querem”, acrescentou leste judeu com raízes iranianas que acusa o Irã de “financiar o terrorismo” no Oriente Médio.

Já o taxista Yossi Basher espera que as armas sejam silenciadas para que Israel possa ter “boas relações com seus vizinhos”.

Segundo Kornfeld, é necessário possuir uma solução militar e outra diplomática, e um “convenção com o Irã” deve envolver a comunidade internacional.

Mas para que a diplomacia prevaleça é necessário um confronto armado, opina Bendavid, citando o exemplo da Guerra dos Seis Dias de 1967, marcada pela vitória de Israel contra uma federação militar do Egito, Síria e Jordânia.

“Por que a Jordânia e o Egito fizeram as pazes com Israel? Porque eles lutaram contra nós e perderam”, afirmou.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios