ECONOMIA

Crise no Oriente Médio pode prolongar inflação, diz economista-chefe do FMI

MANDEL NGAN

O economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Pierre-Olivier Gourinchas, segura o World Economic Outlook do FMI durante uma coletiva de prensa nas reuniões de primavera do Grupo FMI-Banco Mundial na sede do FMI em Washington, DC, em 16 de abril de 2024.

Mandel NGAN

O aumento das tensões no Oriente Médio, depois que o Irã lançou drones e mísseis em direção a Israel, pode atrasar o objetivo de sofrear a inflação no mundo, afirmou o economista-chefe do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas.

Em uma entrevista à AFP antes das reuniões de primavera (outono no Brasil) do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial (BM), que acontecerão entre terça e quinta-feira em Washington, Gourinchas destacou o risco de “uma perturbação dos preços da vigor” ou das matérias-primas.

Pergunta: Suas previsões para a economia mundial melhoraram em verificação a janeiro, mas você aponta o risco de que se produzam novos choques. Qual impacto a atual crise no Oriente Médio pode ter na economia mundial?

Resposta: Na verdade, antecipamos uma economia global que seguirá sendo resiliente em 2024, com um prolongamento de 3,2% e uma inflação que seguirá caindo em 2025, por isso as notícias são muito boas. Mas o risco da crise atual seria transpor do caminho da desinflação, provocando perturbações nos preços do petróleo ou da vigor, e também nos das matérias-primas.

Antecipamos essa possibilidade em um de nossos cenários, com um aumento de tapume de 15% nos preços do petróleo que depois se manteriam em um nível cume em 2024 antes de tombar em 2025. A consequência seria, uma vez que se pode imaginar, um aumento da inflação neste ano e no seguinte, de ao volta de 0,7 ponto percentual (pp), e o prolongamento que se desacelera. Mas ainda não chegamos a esse ponto, observamos uma pequena pressão sobre os preços do petróleo, mas é muito breve para mandar se se trata de uma tendência sustentável ou se alcançarão os níveis de nosso cenário.

P: Também destaca que o ritmo de melhora das condições de vida nos países em desenvolvimento desacelerou, o que deu espaço para disparidades econômicas. Acredita que se prolongará com o tempo?

R: De indumento, esse é um ponto que nos preocupa. Essa não é uma tendência novidade, leva 10 ou 15 anos e acreditamos que continuará. A desaceleração do ritmo do prolongamento tem uma consequência na convergência das condições de vida: se tentar depreender as economias avançadas e desacelera, te levará mais tempo. Isso é o que observamos. Por isso, é forçoso que os países encontrem uma forma de estimular seu prolongamento a médio prazo, seja com políticas para atrair o capital e investimentos estrangeiros ou formando sua população. Mas muitos saíram da pandemia com altos níveis de endividamento, e o aumento das taxas de juros está aumentando o peso do serviço da dívida sobre suas arrecadações. Enfrentam muitos desafios e correm o risco de ficarem para trás sem um padrão de prolongamento sólido.

P: A atualização de suas prisões destacam uma disparidade cada vez mais marcante entre Europa e Estados Unidos, por qualquer motivo em privado?

R: Em relação à Europa há uma combinação de elementos. As consequências do choque energético seguem aí, até claro ponto, embora estejam desaparecendo. Também não devemos olvidar da política monetária restritiva, que pesa cada vez mais sobre o endividamento das famílias e das empresas. Também temos um encontro marcado pela falta de crédito, tanto entre as empresas uma vez que entre os consumidores. Em universal, vemos que a economia europeia está inferior de seu prolongamento potencial. Mas a desinflação chegou mais rápido do que o esperado e podemos esperar que o Banco Médio Europeu reduza as taxas em breve, o que conduziria a um aumento moderado.

Nos Estados Unidos, pelo contrário, o prolongamento da produtividade foi sólido e o mercado de trabalho melhorou, em grande medida graças à chegada de trabalhadores estrangeiros, o que aumenta a capacidade da economia, ao mesmo tempo que reduz a pressão sobre os aumentos salariais. Também estamos vendo muito investimento e o consumo se mantém sólido. Em resumo, tanto a oferta uma vez que a demanda vão muito e estão equilibradas. A demanda é ligeiramente maior, o que explica a persistência da inflação, que não está voltando à sua meta tão rápido uma vez que se esperava, mas já se fez muito. Seguimos esperando que a inflação volte à sua meta durante 2024.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios