ECONOMIA

Parlamento Europeu aprova novas regras para conter gastos públicos

Frederick Florin

A presidente do Parlamento Europeu, Ursula von der Leyen

Frederick Florin

O Parlamento Europeu aprovou nesta terça-feira (23) a reforma das regras orçamentárias da UE, que pretende estimular os investimentos e, ao mesmo tempo, manter os gastos pública sob controle.

O projeto foi elaborado para modernizar o Pacto de Segurança e Propagação, adotado em 1990 e que limita o déficit das administrações nacionais a 3% de cada PIB e a dívida a 60%.

O marco jurídico era considerado muito rigoroso e nos últimos anos se tornou obsoleto, na opinião da maioria dos países do conjunto.

Segundo o comissário europeu da Economia, Paolo Gentiloni, as novas regras são “mais flexíveis e mais confiáveis para sua implementação”. Também permitirão “uma redução progressiva da dívida pública sem comprometer o desenvolvimento”.

O novo marco jurídico, disse Gentiloni, “não é perfeito, mas representa um bom compromisso” para aproximar diferentes posições bancadas políticas e interesses nacionais no conjunto.

As novas regras são particularmente flexíveis com os prazos para que os países com déficit elevados retornem à disciplina fiscal.

O texto, negociado intensamente durante dois anos, contou com espaçoso espeque no plenário dos três principais blocos políticos: os social-democratas, os liberais do Renovar Europa e os conservadores do Partido Popular Europeu (PPE).

O conjunto de esquerda criticou o projeto, que considera uma instrumento para restabelecer a política de austeridade na Europa.

O Pacto de Segurança e Propagação foi suspenso de 2020 a 2023, primeiro para permitir investimentos públicos durante a pandemia do coronavírus e depois para ajudar na recuperação dos efeitos da guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Praticamente todas as partes concordaram que depois das duas experiências não era mais provável ao conjunto retornar a um quadro de austeridade rígida porquê o anterior a 2020.

O novo texto mantém os mesmos valores para cada PIB, mas flexibiliza o ajuste exigido aos países em casos de déficit excessivo, caso aceitem investimentos e adotem reformas estruturais.

Assim, contempla a possibilidade de que os Estados apresentem trajetórias de 4 ou 7 anos para prometer a sustentabilidade da sua dívida.

Em termos concretos, isto significa que os países com maior volume de gastos terão um prazo maior para retornar à austeridade.

Com todas as dificuldades, o documento confirmado nesta terça-feira é o resultado de um quebrável estabilidade entre os países endividados do sul da Europa, porquê a França, e os países considerados ‘frugais’ do setentrião da Europa, que exigem mais rigor.

As novas regras serão utilizadas para definir os orçamentos dos países do conjunto em 2025.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios