ECONOMIA

1% mais rico ganha quase 40 vezes mais do que 40% mais pobres

Dependência Brasil

Rendimento mensal do 1% mais rico é 40 vezes maior que dos 40% mais pobres, diz IBGE

O rendimento médio mensal do grupo dos 1% mais ricos do Brasil foi 39,2 vezes maior que os 40% com os menores rendimentos em 2023, de congraçamento com a Pesquisa Pátrio por Modelo de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo Instituto Brasílio de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (19).

Segundo a pesquisa, o 1% mais rico da população brasileira teve um rendimento médio mensal per capita de R$ 20.664 por mês. Já aqueles no grupo dos 40% mais pobres tiveram um rendimento de R$527 – o maior valor da série histórica para o segmento.

Em conferência aos valores de 2022, o rendimento do grupo 1% mais rico teve um aumento de 13,2% (R$18.257). Já o grupo dos 40% mais pobres teve uma subida de 12,6% (R$468).

No que tange aos 10% da população com os maiores rendimentos, o valor médio foi de R$ 7.580 ao mês em 2023. Essa quantia é 14,4 vezes maior que os 40% mais pobres e representa uma subida de 12,4% em conferência a 2022.

A contraposição entre os 1% mais ricos e os 5% mais pobres também demonstra a desigualdade no país: a renda média per capita dos mais abastados (R$ 20.664) corresponde a 164 vezes o valor dos 5% mais pobres do país (R$ 126).

De congraçamento com o IBGE, mesmo com o aumento da renda média domiciliar per capita em todas as faixas, a conferência entre os rendimentos médios das diferentes classes demonstra que a desigualdade no país permanece acentuada.

Ainda assim, o rendimento per capita dos 40% da população mais pobre do país atingiu, em 2023, o maior valor da série histórica, segundo o IBGE. Esse aumento pode ser atribuído, segundo o Instituto, ao recebimento do Bolsa Família, além da melhoria do mercado de trabalho e o aumento real do salário mínimo.

Índice de Gini

O levantamento do IBGE também mostra o comportamento do Índice de Gini, um recurso que mede a concentração de renda da população. O indicador varia de 0 a 1, sendo que quanto mais próximo de zero, menor o índice de desigualdade.

Em 2023, o indicador ficou em 0,518, o mesmo de 2022 e o menor já registrado pela série histórica iniciada em 2012. O ponto mais desigual foi em 2018, quando alcançou 0,545.

Quer permanecer por dentro das principais notícias do dia?  Clique cá e faça segmento do nosso conduto no WhatsApp

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios