ECONOMIA

Mais otimista, FMI melhora perspectivas de crescimento global este ano

MANDEL NGAN

(Da esquerda para a direita) O economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Pierre-Olivier Gourinchas, e a vice-diretora do Departamento de Pesquisa do FMI, Petya Koeva Brooks, realizam uma coletiva de prelo enquanto o FMI publica suas previsões econômicas globais em Washington, DC em 16 de abril de 2024

Mandel NGAN

A economia global crescerá 3,2% leste ano e o mesmo valor no próximo, um sinal de “resiliência extraordinária”, com uma melhoria nos países desenvolvidos porquê os Estados Unidos e nos mercados em desenvolvimento porquê Índia e Brasil, previu o Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira (16).

A atualização das perspectivas para a economia mundial inclui poucas alterações em relação à anterior, publicada em janeiro.

“Há certamente diferenças de uma região para outra, mas apesar das previsões pessimistas, a economia resiste e a inflação está próxima da meta”, disse aos jornalistas o economista-chefe do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas.

“O caminho tem sido montanhoso” devido a problemas na calabouço de provimento, à guerra na Ucrânia que desencadeou uma crise energética e cevar e a um aumento da inflação, seguido de um aumento das taxas de juros, explica o FMI.

Mas “apesar de muitas previsões sombrias, o mundo evitou a recessão”, acrescenta.

E apesar das taxas altas e da inflação que varia de um país para outro (próxima da meta na Europa, baixa na China, mas ainda muito subida nos Estados Unidos), a economia mundial não vacila, graças em secção à solidez do serviço e ao consumo.

– Força dos EUA –

É o caso da maior economia do mundo, os Estados Unidos, que deve crescer 2,7% leste ano, contra 2,1% previstos há três meses.

“Temos observado a um aumento considerável tanto no serviço porquê na produtividade, uma potente demanda dos consumidores e do gasto público”, explicou Gourinchas.

Esta tendência não se reflete nas outras economias avançadas, particularmente na zona do euro, onde o já fraco prolongamento foi revisado ligeiramente em baixa para 0,8% (-0,1 ponto percentual, pp) devido à fragilidade das duas principais economias da região: Alemanha e França. A Espanha é uma das poucas exceções, com um aumento de 0,4 pp, a 1,9%.

Entre as economias em desenvolvimento, Índia e Brasil são as mais afortunadas.

A demanda interna e o aumento da população economicamente ativa colocam a Índia entre os países que mais crescem no mundo: 6,8%.

O prolongamento no Brasil (2,2%, +0,5 pp face à previsão anterior) seria subordinado ao de 2023, devido aos efeitos do ajuste monetário e da consolidação orçamentária em curso, mas melhora em relação à projeção de janeiro.

Por outro lado, a economia mexicana caiu 0,3 pp para 2,4%, entre outros devido a uma contração no setor manufatureiro.

As previsões econômicas do FMI para o resto da região leste ano variam consideravelmente: a Bolívia crescerá 1,6%, a Colômbia 1,1%, o Equador 0,1%, o Paraguai 3,8%, o Peru 2,5%, o Uruguai 3,7% e a Venezuela 4%. A América Meão progredirá 3,9% e o Caribe 9,7%.

Para a Argentina, o órgão financeiro mantém a previsão de janeiro: o PIB registrará contração de 2,8% leste ano em meio ao ajuste fiscal realizado pelo governo do presidente ultraliberal Javier Milei, na tentativa de restaurar a segurança macroeconômica.

A previsão para a inflação argentina é também sombria. O FMI projeta que chegará a 250% leste ano e cairá para quase 60% em 2025.

– Fragilidade chinesa –

As previsões para a China também não mudaram, com um prolongamento de 4,6% esperado para leste ano, um sinal de que a desaceleração da sua economia continua.

“As fragilidades observadas desde o ano pretérito são persistentes. Existem algumas preocupações devido ao inferior consumo interno e devemos esperar que a atividade se mantenha moderada durante qualquer tempo”, sublinhou Gourinchas.

Assim porquê em 2023, a economia russa permanece sólida leste ano, com uma expansão projetada de 3,2% (+0,6 pp em relação a janeiro), apesar das sanções internacionais. A Rússia mantém a expansão devido ao investimento público em gastos militares para financiar a guerra na Ucrânia.

O otimismo do FMI é de pequeno prazo. Para o porvir, as previsões globais não são animadoras.

As perspectivas estão “inferior da média anual histórica de 3,8% entre 2000 e 2019”, o que reflete “políticas monetárias restritivas e retiradas de pedestal fiscal, assim porquê baixa produtividade subjacente”, afirma o relatório espargido porquê WEO (World Economic Outlook), que o FMI divulga no início das suas reuniões desta semana em Washington.

No médio prazo, na produção e no transacção, as previsões continuam as “mais baixas em décadas”.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios